Arquivo de julho \04\UTC 2011

Perdoa-me, visão dos meus amores

Perdoa-me, visão dos meus amores

 

 

Perdoa-me, visão dos meus amores,
Se a ti ergui meus olhos suspirando! …
Se eu pensava num beijo desmaiando
Gozar contigo uma estação de flôres!

De minhas faces os mortais palores,
Minha febre noturna delirando,
Meus ais, meus tristes ais vão revelando
Que peno e morro de amorosas dores…

Morro, morro por ti! na minha aurora
A dor do coração, a dor mais forte,
A dor de um desengano me devora…

Sem que última esperança me conforte,
Eu – que outrora vivia! – eu sinto agora
Morte no coração, nos olhos morte!

 

Álvares de Azevedo

Anúncios

Deixe um comentário

Adeus, meus sonhos!

Adeus, meus sonhos!

 

 

Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peito enchia
Morreu na minha triste mocidade!
Misérrimo! Votei meus pobres dias
À sina doida de um amor sem fruto,
E minh’alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.
Que me resta, meu Deus?
Morra comigo
A estrela de meus cândidos amores,
Já não vejo no meu peito morto
Um punhado sequer de murchas flores!

 

Álvares de Azevedo

Deixe um comentário